Você acredita que os opostos se atraem?

Eduardo e Mônica eram nada parecidos, ela era de Leão e ele tinha dezesseis

Ela fazia Medicina e falava alemão e ele ainda nas aulinhas de inglês

E os dois comemoraram juntos e também brigaram juntos muitas vezes depois

E todo mundo diz que ele completa ela e vice-versa, que nem feijão com arroz

(Eduardo e Mônica – Legião Urbana)

Sim, tudo parece lindo em letras de música, mas será que pessoas muito diferentes conseguem ficar juntas?

Se uma relação entre duas pessoas que falam a mesma língua enfrenta os dias ruins, os problemas pessoais e profissionais que cada um terá pela frente e as eventuais mudanças que todos podemos ter, o que dizer de uma relação que comece com muitas diferenças?

Não há uma resposta fechada. Pessoas são pessoas e cada uma tem a sua receita. Mas podemos imaginar os desafios e ganhos. E você? Acredita que os opostos se atraem?

Por que o oposto atrai?

Podemos imaginar que setor da nossa sociedade ainda preserva os padrões de vinte, trinta anos atrás? Certamente nenhum.

Acabaram os pacotes, as pessoas estão se relacionamento mais socialmente e com mais intensidade, pelas redes sociais e networking, e querem experimentar o novo. E estão cercadas de muito mais possibilidades de conhecer o oposto.

E para muitas pessoas, o oposto desafia seus próprios limites, de fazer algo realmente interessante, superar receios e se lançar em uma relação que agrega vivências que vão além do que elas já sabem.

O que fazer? Veja no oposto as possibilidades de ampliar horizontes e nunca como alguém que terá de mudar por você. Nem você deve mudar, a menos que queria. Tudo fica mais simples assim.

Estar com a pessoa igual é o ideal. Mas onde ela está?

Sim, muitas pessoas preferem investir em uma relação com alguém que tem os mesmos valores e gostos. Afinal, é uma tarefa muito menos complexa, e a vida já anda complicada demais.

Mas achar essa pessoa também não é simples. Se você gosta muito de ler, não é só ir para uma livraria e quem sabe achar uma pessoa que será interessante porque tem a mesma paixão.

Existem camadas e camadas de informação que podem fazer o leitor ideal deixar de encaixar no seu sonho depois de duas ou três frases.

As pessoas estão muito mais complexas, vivenciando estímulos e relações das mais variadas formas, e achar uma pessoa igual é uma tarefa cada vez mais difícil.

E será que é necessário? É bem provável que você ache alguém mais diferente do que igual e as qualidades mais importantes serem iguais às suas!

A troca de experiências é o maior valor na relação entre opostos!

A semelhança traz a segurança. E a acomodação. Gostar de fazer as mesmas coisas só nos torna cada vez melhores… nas mesmas coisas. E a vida é curta demais para ficar só na página 3 do cardápio.

A diferença nos gostos e estilos pode ser uma excelente oportunidade de crescimento pessoal. Vocês aprendem coisas novas, passam a valoriza-las, lançam um olhar diferente sobre ideias arraigadas e agregam novas vivências, tornando a vida algo mais prazeroso.

Mesmo com gostos e valores parecidos, as pessoas têm timing e suas prioridades diferentes, o que já demonstra que o oposto reside em todas as relações, em escala maior ou menor.

Não deposite sua relação em igualdades!

Muitas pessoas acreditam que a comunhão no sexo é a base para que uma relação cresça e dure, apesar de algumas diferenças. Ou que os mesmos gostos culturais são o mais importante.

A experiência mostra que nenhum aspecto da relação pode ser determinante da sua qualidade como um todo. Sexo, lazer e outro aspecto não sustentam uma relação que se pretende ser sólida.

Uma relação precisa de valorização também das diferenças, onde um possa se sentir bem e outro possa crescer. Assim, as conquistas e igualdades terão ainda mais qualidade!

 

Para saber mais acompanhe mais dicas como lei da atração.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo